Cidadão critica adicional de insalubridade e servidores reagem

Ponta Grossa

27 de maio de 2020 09:23

Afonso Verner


Relacionadas

Defesa Civil atende família que teve residência danificada

Saúde confirma 12 novos casos de Covid neste sábado

Ponta Grossa tem confirmação de 5º óbito por Covid-19

Moradores bloqueiam rua e causam alvoroço em Olarias
Sargento da reserva pode ter sido vítima da Covid-19 em PG
Batalhão de Polícia Militar lamenta morte de sargento
Acidente deixa duas mulheres feridas na região central de PG
Cidadão publicou vídeo nas redes sociais e gerou reação dos servidores da saúde Foto: Reprodução/Facebook
PUBLICIDADE

Vídeos postados nas redes sociais causaram polêmica. Cidadão afirmou que servidores da saúde "colocaram medo na população" para ganharem reajuste; Trabalhadores reagiram

Carlos Pilha usou as redes sociais para questionar o adicional de insalubridade de 40% que será concedido aos profissionais da saúde em Ponta Grossa a partir de agosto (clique aqui para asssitir ao vídeo). Em dois vídeos postados no Facebook nesta terça-feira (26), Carlos afirma que “esse não é o momento de conceder reajuste para ninguém”. As afirmações de Carlos geraram reações imediatas de profissionais da saúde que criticaram as informações divulgadas por ele 

A crítica de Carlos foi motivada por um vídeo postado pelo vereador Rudolf ‘Polaco’ (PSL), reproduzido no perfil de Carlos, que comemorou a concessão de reajuste para os servidores. “Como vão dar aumento com a Prefeitura quebrada? A população não tem dinheiro, está todo mundo baixando as portas”, disse Carlos. “Eu falei que os profissionais da sáude iam querer reajuste financeiro [diante da Pandemia]”, diz Carlos. No vídeo, ele também critica o uso de máscaras e o fechamento do comércio.

“Quem mais colocou medo na população com a covid-19 foram os profissionais da saúde, os enfermeiros e o pessoal da área. E o que isso resultou? Resultou em aumento salarial para os cargos comissionados nos cargos de saúde”, conta. Classificando a cidade como “Ponta Roça”, Carlos afirma ainda que os profissionais da saúde “estavam alarmando a população” para cobrar reajuste salarial em seguida. 

“De onde o município vai tirar dinheiro para pagar 40% de reajuste?” questiona Carlos no vídeo. “Eu não estou vendo crise de saúde nenhuma, o que eu estou vendo é dinheiro voando para cima para baixo. A verdade dói, infelizmente”, disparou. O vídeo publicado nas redes sociais causou imediata reação de profissionais da saúde. 

O pagamento citado pelo cidadão diz respeito ao adicional de insalubridade sobre o salário mínimo nacional e concedido aos servidores envolvidos diretamente com ações de combate à Covid-19. A medida é um direito trabalhista e vinha sendo cobrada pelo Sindicato dos Servidores Municipais (SindServ), além de lideranças políticas. O próprio prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel (PSDB), disse que pagaria o adicional “mesmo diante das dificuldades financeiras”. O aumento do adicional de insalubridade representa cerca de R$ 300 mil mês

Em seguida, Carlos fez outra publicação tratando do tema (clique aqui para assistir ao vídeo). “Ontem fui atacado mais que pão com margarina na fila de distribuição de alimento, a empatia passou longe de Ponta Roça. Só para lembrar a todos, qualquer conta ou salário pago pela Prefeitura, é o nosso dinheiro arrecadado em impostos, até o IPTU mais barato tem parte nas melhorias da cidade”, escreveu Carlos em seguida.

Profissionais da saúde reagem

A publicação feita por Carlos causou reação imediata de servidores da saúde. “Quero deixar aqui o meu repúdio a essa pessoa, quer fama toma seus minutos de fama, colega. Infelizmente há pessoas que não tem noção mesmo, triste em escutar palavras deste cidadão se direcionando a nós profissionais da enfermagem como alguém que buscou colocar medo na população”, escreveu uma profissional da saúde também no Facebook.

“Oh ser de luz, vai estudar os diretos trabalhistas e depois que entender o significado de insalubridade, ai sim grava um vídeo... não é aumento de salário é um direito de qualquer trabalhador exposto a algum tipo de risco à sua saúde”, escreveu outra profissional da saúde ao compartilhar o vídeo de Carlos.

“Nós não tivemos aumento de salário não, quem já ganhava a insalubridade, permaneceu ganhando a mesma coisa, pra isso existe o portal transparência!! Só ir lá e ver. Se informar antes de fazer um vídeo assim, seria bem legal. Antes de tornar o profissional de saúde um vilão! Se subiu o salário de alguém?ok! Mas não generalize falando de todos os profissionais sem ter certeza, não fale sem saber o que cada profissional (independente da sua área de trabalho passa)”, escreveu outra internauta.

Servidores da linha de frente são os mais contaminados

Dados da Prefeitura mostram ainda que os servidores da Saúde são a categoria mais prejudicada com o contágio da Covid-19. Em Ponta Grossa, por exemplo, o último boletim mostra 62 casos positivos da doença e 18 deles são profissionais do setor de saúde (29% do total). O reajuste insalubridade deverá custar cerca de R$ 300 mil por mês ao caixa do município quando implementado.

Erramos

Erramos ao informar que o adicional insalubridade incidiria sobre o salário base dos servidores. O presidente do SindServ, Roberto Ferensovicz esclareceu que o adicional de insalubridade incide sobre o salário mínimo nacional e não sobre a remuneração do trabalhador. Roberto destacou ainda que o pagamento será efetuado somente a partir de agosto, conforme anunciado pelo prefeito.

PUBLICIDADE

Recomendados