PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Ministério Público denuncia vereador e empresários presos

Ponta Grossa

29 de dezembro de 2020 14:39

Afonso Verner


Relacionadas

Humai cria projeto para crianças e jovens com deficiência

Alunos do Ensino Médio de PG fazem provas do PSS

Professor é referência no esporte dos Campos Gerais

Prefeitura diz que invasão de área é crime contra a sociedade
Motorista embriagado bate contra poste em bairro de PG
Homem é atingido por disparo de arma de fogo em Uvaranas
Mulher ameaça marido com arma e é detida em PG
Antonio Carlos, João Barbiero e Valtão foram denunciados pelo MP Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

MP ofereceu denúncia contra cinco pessoas pelos crimes de corrupção ativa e passiva. Grupo foi alvo da Operação Saturno no último dia 15

O promotor do Ministério Público (MP), Antonio Juliano Souza Albanez, formalizou a denúncia contra o vereador Walter José de Souza (a direita da foto), o Valtão (PRTB), e contra os empresários Alberto Abjumara Neto, Antonio Carlos Domingues de Sá (a esquerda na foto), Celso Ricardo Madrid Finck e João Carlos Barbiero (ao centro na foto) - o grupo foi alvo da Operação Saturno, deflagrada para investigar casos de corrupção envolvendo o EstaR Digital em Ponta Grossa. 

O documento foi protocolado nesta terça-feira (29) e qualifica o vereador Ricardo Zampieri (Republicanos) como informante - o parlamentar chegou a ficar preso por nove dias, mas foi liberado por “falta de provas” e deixou de ser investigado para ser qualificado como informante da investigação. Na denúncia, o promotor pede que o grupo seja investigado pelos crimes de corrupção ativa e passiva. 

No caso da corrupção ativa, o promotor defende que o empresário João Barbiero foi “contratado” por Alberto, Antonio e Celso para que, mediante pagamento de proprina mensal, intermediasse os interesses da empresa Cidatec, responsável pelo EstaR Digital, junto aos órgãos e agentes públicos, especialmente diante do vereador Valtão, relator da CPI criada para investigar o EstaR Digital.

A denúncia afirma ainda que Barbiero foi orientado a persuadir os membros da CPI do EstaR Digital para que eles apresentassem um documento (relatório final) favorável à CidaTec. Segundo a denúncia, o principal contato de Barbiero dentro da CPI era o vereador Valtão - o parlamentar do PRTB recebeu R$ 15 mil de propina no dia 23 de novembro. Desse montante, R$ 11,9 mil foram apreendidos na casa de Valtão. 

O documento assinado pelo promotor afirma ainda que, mediante ao pagamento de propina, Valtão agiu por determinação dos empresários responsáveis pela CidaTec para apresentar um relatório final favorável à empresa. Desta forma, o promotor entende que Alberto, Antonio, Celso e Barbiero cometeram corrupção ativa majorada, enquanto Valtão teria cometido o crime de corrupção passiva majorada.

O presidente da Aurquia Municipal de Trânsito e Transporte (AMTT), Roberto Pelissari, não é citado na denúncia, nem como informante e nem como testemunha. A denúncia foi apresentada à 1ª Vara Criminal de Ponta Grossa. 

Outros membros da CPI são citados como informantes

A denúncia oferecida pelo Ministério Público qualificou Ricardo Zampieri e os demais membros da CPI do EstaR Digital como informantes, sem qualquer acusação formal contra eles. Além de Zampieri que era presidente da Comissão, faziam parte da investigação os vereadores Vinícius Camargo (PSD), Sargento Guiarone (PRTB) e Pastor Ezequiel (Avante), além de Valtão que segue preso. Guiarone, inclusive, é autor do pedido de cassação do mandato de Valtão. 

Saiba mais:

Relatório do Gaeco cita Ricardo Zampieri como informante

Vereador Valtão completa 14 dias na cadeia

Ricardo Zampieri fala sobre prisão: 'Quem não deve, não teme'

Justiça liberta Ricardo Zampieri e Roberto

João Barbiero vai cumprir prisão em casa e com tornozeleira

Câmara de PG acata pedido de cassação de Valtão

Prefeitura suspende contrato com a Cidatec

PUBLICIDADE

Recomendados